Catedral de São Sebastião

Em 1893, durante a Revolução Federalista, a Catedral e a Praça foram palco de grandes acontecimentos, no episódio que ficou conhecido como Sítio de Bagé, quando forças revolucionárias, pretendendo tomar a cidade, obrigaram os legalistas ­republicanos, comandados pelo Coronel Carlos Maria da Silva Telles, a armar a defesa da Praça.


O templo se transformou em hospital de sangue, enquanto junto às paredes laterais se sepultavam os mortos. A Igreja ficou com suas paredes cravejadas de balas. Só a imagem simbolizadora da Esperança, na fachada, não recebeu nenhum projétil. Celebrada a pacificação, voltou a cidade à normalidade. Com doações de fiéis, comandados pelo cônego Bittencourt, a Igreja foi sofrendo reformas e reparos (chão, altar, etc.), sendo executado o que era possível. A Catedral recebeu nova pintura em 2003, graças ao apoio da comunidade. Informações segundo o Ministério de Cultura do RS.