O Pampa pelo olhar de quem visita: especial Vinícola Peruzzo

Criada em 04/10/2019



 

Por Sara Bodowsky

Publicado em 22/05/2017, no blog Roteiro da Sara, no endereço: http://1023.clicrbs.com.br/roteirodasara/

 

Dando sequência a série O Pampa pelo olhar de quem visita, hoje, em especial, iremos destacar a passagem de Sara pela Vinícola Peruzzo. As vinícolas são um grande atrativo turístico do Pampa, proporcionando aos turistas provar o vinho de qualidade que é produzido em nossa terra. Na próxima publicação da série, vamos compartilhar a experiência vivida na Vinícola Guatambu. 

 

Sobre a Vinícola Peruzzo, seguem as palavras de Sara Bodowsky, referente à sua visita:

Outra daquelas surpresas inesperadas, que me fizeram sair de lá com um sorriso de orelha a orelha…

… pela qualidade dos vinhos – que eu já conhecia – mas também pelo potencial de enoturismo e receptividade.

Primeiro que essa época de outono dá uma cor linda à paisagem dos vinhedos. E em Bagé a gente já sente esse toque quase uruguaio, um quê que só a nossa fronteira tem!

É, eu sei. Também não fazia ideia que podia ser tão lindo. (acompanha imagem destacada na galeria)

Fui recebida pela Clori Giordani Peruzzo, que junto do marido, Lidonor, e do filho Eder, estão à frente da vinícola.

A visão do Eder, responsável pela produção, é buscar cada vez mais a uva nos vinhos. Para isso, a ideia é tirar cada vez mais a madeira em excesso. Nesse momento, as principais cepas são Cabernet Sauvignon e Franc, Merlot e Chardonnay. Hoje o volume de produção é de 40 a 50 mil litros por ano. Mas a vinícola comporta até 210 mil.

Essas garrafas de espumante em evolução são divinas. É o espumante método tradicional, antes do dégorgement – a retirada dessa borra, que são as células mortas das leveduras. (acompanha imagem destacada na galeria)

O bacana é que eles focam exatamente nas qualidades do terroir da Campanha para encontrarem o perfil do vinho da Peruzzo.

A menor umidade auxilia na maturação mais completa da uva, com mais doçura e menos acidez. Vai aí que o que acontece é um vinho mais estruturado.

Agora, além do vinho, o destaque é o almoço harmonizado. Ele vai acontecer no dia 4 de junho, também, para quem chegar pela cavalgada que vai sair da Pousada do Sobrado, e para quem quiser ir direto.

Vocês sabem que amo meu trabalho, né? E vão ter mais uma prova do “motivo”, agora: eu tive a chance de curtir, especialmente para mim, esse almoço incrível. E a Esther Gabbardo, enóloga, fez as honras dos vinhos.

Mas, ainda sobre o almoço: primeiro, que a base é cordeiro. Produzido lá na Peruzzo, mesmo.

Gente, eu comi espinhaço de cordeiro. Acho que é das coisas mais saborosas que já provei!

E aí a dona Clori ainda inventou uma maionese de batata-doce. Aí, perdi as palavras – e o controle. Mas que coisa BEM boa!

De leve, pra acompanhar, ainda cordeiro no molho de vinho, purê, arroz soltinho delícia e aipim. Ah, só não teve o cordeiro assado, que aí precisava de mais gente para comer (não acreditaram na minha capacidade glutônica). Mas, no almoço harmonizado, ele está lá.

E, bem, tiveram também os vinhos. Meu preferido é o Cabernet Sauvignon. Porque sabe ser bem bom esse vinho da Peruzzo!

Ah, para para para tudo: teve doces também. Nossa, e que doces! O meu preferido? Pudim, claro!

Ah, e veja só – o lugar é tão legal que logo terá trilhas para caminhada. E próximo dali está o histórico Forte Santa Tecla. Sim, eu sei, dá vontade de ir correndo pra lá!

Ps: essa foto está aqui por motivos de eu encontrei um ingazeiro lá! Alguém conhece? Era a frutinha da minha infância! (acompanha imagem destacada na galeria)

Ps: presta atenção no Merlot 2012 da vinícola. Foi duplo ouro no Mundial de Bruxelas. Não está no mercado ainda!

Esther, Eder, dona Clori: que prazer conhecer vocês! Que eu volte logo, logo praí!


Gostaram dos relatos de Sara? Além das palavras, encantam os belos registros de cada momento. O próximo texto de O Pampa pelo olhar de quem visita também será de Sara Bodowsky, mas desta vez focado na vinícola Guatambu.