O Pampa pelo olhar de quem visita: especial Vinícola Guatambu

Criada em 18/10/2019



 

Por Sara Bodowsky

Publicado em 22/05/2017, no blog Roteiro da Sara, no endereço: http://1023.clicrbs.com.br/roteirodasara/

 

A publicação que integra a série O Pampa pelo olhar de quem visita, hoje, é especial sobre a Vinícola Guatambu, que além de ser um grande atrativo turístico do Pampa, foi premiada com os vinhos de qualidade, produzidos em nossa terra, que oferece aos turistas. 

 

Forte ponto turístico do Pampa: Vinícola Guatambu é premiada com vinho Luar do Pampa

 

Sobre a Vinícola Guatambu, seguem as palavras de Sara Bodowsky, referente à sua visita: 

 

Não vou fazer de conta aqui que não conhecia a Guatambu – a vinícola das gurias Pötter já está no meu coração há anos.

Também, não é para menos – essa moderna e acolhedora vinícola, em Dom Pedrito, significa cada vez mais vinhos de qualidade e respeito ao consumidor.

E tudo com a Gabriela Pötter, uma das irmãs, a enóloga chefe, à frente.

Gente, praticamente só tem gurias lá, tá vendo?

A loja da vinícola é uma das mais legais do RS. Também, com esses vinhos…

Ah, minha dica: esse rosé aí em cima. Luar do Pampa. Espetacular!

Aí, as gurias tão sempre inventando. Agora têm até peças em lã fabricadas por tecelãs locais.

E, ó: essas foram tingidas com o bagaço da uva da produção da Guatambu. Eu piro com essas coisas!

Já que eu conhecia o almoço harmonizado, fomos para a degustação especial. Olha esse lugar!

Sim, eu sei. Dá vontade de voltar pra lá AGORA!

Esse é um dos meus tintos preferidos da Guatambu. E faz parte da trilogia Lendas do Pampa (lembra que falei sobre a relação entre vinho e história na nossa Campanha? Taí mais um exemplo disso!).

Resumindo a história pra vocês: a sede da Guatambu foi, em outras épocas, a propriedade dos Anastácios. Em determinado momento, para casar a filha que já estava ficando encalhada (devia ter o que, uns 20 anos?), promoveram um baile que durou trinta dias. As consequências desse evento foram várias, e até hoje a lenda – com suas modificações – correm pela Campanha.

A última e mais deliciosa consequência foi essa: a trilogia Lendas do Pampa. Tempranillo, Cabernet Sauvignon e Tannat.

Um ultra premium varietal. Duas mil garrafas de cada são produzidas por safra.

Ah, e também tem esse espumante rosé. Juro que suspirei fundo, agora, escrevendo…

* Ah, e eu provei um espumante de vinho tinto que se chama Noite do Pampa. Uma novidade em primeira mão – ainda nem rótulo tinha! E tava divino!

Hoje, a vinícola tem os espumantes tinto brut, rosé brut, e branco nature, brut e extra brut, além de demi-sec branco. O extra brut foi revelação no Guia Descorchados 2017.

E, para finalizar, o Épico! Bem, esse é o principal vinho da Guatambu. Para beber com tempo. Entendendo. Assimilando. É um belo exemplar do que se faz (e muito bem) na Campanha!

Ah, é claro, a degustação também é acompanhada de produtos locais. E que produtos!

Tanto nos almoços quanto nas degustações, é possível aproveitar para conhecer a propriedade em um passeio de charrete. Os cavalos são bem cuidados e tratados com carinho (é claro que eu presto atenção nisso).

Pocotó pocotó pocotó (eu sei, eu sei, mas eu PRECISAVA escrever isso. Por favor, não parem de ler o blog? <3)

A imponência da vinícola impressiona.

Ah, olha que legal: cheguei justamente no dia em que estavam engarrafando o Tannat. Olha bem de perto a foto e você consegue ver as garrafas sendo completadas!

Essas gurias! Como a foto com a Isadora não rolou (minha amiga querida), vai com a mana Gabi Pötter! Gurias, que prazer, sempre, estar com vocês e com esses vinhos incríveis!

 

Gostaram dos relatos de Sara? Além das palavras, encantam os belos registros de cada momento.