Da história ao acervo: saiba mais sobre a missão do Museu da Gravura em Bagé

Criada em 03/02/2020



Para começar a contar a história do Museu da Gravura é preciso voltar para janeiro de 1976, quando a Secretaria Municipal de Turismo de Bagé, com apoio do Museu Dom Diogo de Souza e da Fundação Attila Taborda, promoveu o Encontro Nacional de Artistas Plásticos. Ideia de Carlos Scliar, quando a FUnBA, Universidade da Região da Campanha - Urcamp, reuniu o Grupo de Bagé, disperso há vários anos. 

Além de reunir o Grupo de Bagé, composto por Carlos Scliar, Glênio Bianchetti, Glauco Rodrigues e Danúbio Gonçalves, o Encontro Nacional de Artistica Plásticos reuniu nomes dos mais expressivos das artes plásticas, que foram recebidos em fazendas de Bagé, onde puderam sentir a plasticidade dos cenários do Pampa Gaúcho, e assim, se voltarem para os temas nacionais. 

Este cenário foi o que motivou Carlos Scliar e seus companheiros para então propor a criação do Museu da Gravura Brasileira para documentar esta atividade plástica. 

O então Museu da Gravura Brasileira teve sua inauguração no dia 21 de outubro de 1977, durante o II encontro Sul-Rio-Grandense de Museus, com uma mostra dos integrantes do Grupo de Bagé. Um ano antes, os Quatro de Bagé haviam idealizado a possibilidade da criação de um órgão cultural, onde outros artistas também pudessem reunir e estudar a criação artística. 

Fundado a 21 de outubro de 1977, o Museu da Gravura Brasileira é mantido pela Fundação Áttila Taborda e tem o intuito de recolher, adquirir, estudar, conservar, comunicar/expor, para fins de estudo, educação, cultura e lazer, obras de Artes Visuais com foco na gravura. 

Acervo do Museu da Gravura 

Em seu acervo, possui mais de quatrocentas obras do Clube da Gravura de Bagé e de Porto Alegre. Dentre as principais doações está a doação do acervo particular de gravuras sobre a temática gaúcha, de Carlos Scliar. O acervo foi feito integralmente com doações de artistas e particulares.

O acervo possui mais de 1700 obras, nas técnicas de gravura, serigrafia, gravura em metal, xilogravura, ponta seca, fotografias, dentre outras técnicas. Onde pode-se encontrar obras de Vasco Prado, Glauco Rodrigues, Danúbio Gonçalves, Glenio Bianchetti, Vera Chaves Barcelos, Fayga Ostrower, entre outros. 

Principal missão do Museu da Gravura 

O principal objetivo do Museu da Gravura é promover a interação da sociedade com o patrimônio artístico cultural, contemplando tanto a experimentação e a inovação contemporânea, quanto ao registro, resgate, educação, comunicação, memória e identidades, focando à livre-expressão, a democracia e a ética, favorecendo o desenvolvimento da alfabetização estético cultural comunitária - primando pela responsabilidade sócio cultural e o desenvolvimento regional. 

Funcionamento do Museu da Gravura

O Museu da Gravura Brasileira funciona de terças à sextas-feiras, das 15h às 19h, na Av. Emilio Guilayn, 759.

As informações divulgadas são de autoria da FAT/Urcamp*